Hey! Você está no Blog YUME, seja bem-vindo(a)!

Bem vinda (o) ao YUME, um blog pessoal e sem fins lucrativos, criado pela B-chan, para satisfazer seu próprio ego.
Aqui, você encontrará reviews de animês e mangás, matérias sobre J-music e K-music, além de comentários de notícias relacionadas a esses meios.

Hotarubi no Mori e

Uma oneshot em mangá de Yuki Midorikawa (Natsume Yūjinchō ) produzida em animê pela Aniplex (Durarara!!, Eureka 7) com  Takahiro Omori (Baccano, Hell Girl)  como diretor e premiada como o melhor filme animado na 66ª edição dos Mainichi Film Awards (os prêmios mais prestigiados do Japão)? É claro que, nem morta, eu deixaria de assistir. 

A oneshot foi transformada num curta de mais ou menos 40 minutos. E que minutos bem administrados! Quando ouvi que iriam transformar umas 45 páginas de mangá em 40 minutos de animê fiquei preocupada. Não seria muito tempo? Não estragaria a aura da estória?

Mas, não. Foi o tempo suficiente. Na verdade, quando acaba, a única coisa que temos a reclamar é que fora pouco tempo em relação ao que gostaríamos que fosse. O filme é bom assim.

"Hotarubi no Mori e" em português seria algo como "Para a floresta de vagalumes"

A linda estória é uma mistura doce de folclore japonês, drama e sobrenatural. E romance, é claro. Mas nunca um dos ingredientes passa da medida. Se vocês me derem a permissão, eu gostaria de comparar a aura deste anime com a de Mushishi; minha melhor comparação.

O anime acontece numa ilha japonesa onde os verões são muito quentes e os invernos muito frios. O lugar é pacífico e cheio de árvores e montanhas, não é uma cidade muito desmatada. A lenda local é que nas montanhas habita o Deus da Montanha e seus espíritos. Dizem que em determinado período do ano até festa eles dão, pois dá para se ouvir eles comemorando e nenhuma pessoa do vilarejo ousaria fazer isto. A mata é tão densa que eles dizem que se alguém entrar desprecavido se perde e nunca mais é encontrado.

Hotaru é uma garotinha de seis anos que sai da cidade grande em que mora para passar as férias de verão na casa de seu tio. Como passeio, ele a leva para caminhar pelas trilhas na montanha um dia e ela acaba se perdendo. Hotaru procura por todo o dia, mas não volta a encontrar a trilha na floresta, então, cansada, senta e chora no chão. Não se passa muito tempo e alguém vem até ela. 

É um rapaz alto, usando uma máscara de festival. Ele pergunta por que ela chora e decide leva-la a trilha, para que possa voltar para casa. A menina, muito aliviada por ter encontrado alguém levanta e tenta abraça-lo, mas ele foge. Ela pensa que é uma brincadeira e tenta de novo, mas ele desvia novamente. Ela tenta outra vez e recebe um galho na cabeça.

O rapaz que veio ajuda-la se chama Gin. E Gin não pode ser tocado por outros seres humanos, pois ele já não é mais humano, e se for tocado por um desaparecerá.

Gin e Hotaru, juntos

Ele cumpre a promessa e a leva até a trilha e ela, ao se despedir, promete que voltará. 

Gin não acredita, mas no dia seguinte, quando Hotaru vai a floresta, ele está esperando por ela. E assim conversam, e brincam, e Gin mostra toda a montanha para ela. E ela nunca pode toca-lo e nem ele a ela. Mas Hotaru pode tocar a máscara, e, numa oportunidade, enquanto ele dormia, ela a tira e vê seu rosto verdadeiro. Gin tem a aparência de um adolescente de mais ou menos 16 anos. E se tornam amigos.

Os dias vão passando e as férias de Hotaru chegam ao fim e ela tem que voltar para casa.

E durante todos os anos Hotaru espera anciosamente a chegada do verão para visitar Gin. E ele sempre está onde costumam se encontrar. Hotaru entra no fundamental e depois no colegial e ainda assim continua amiga de Gin, até que, em algum momento do colegial, se torna uma garota desligada do mundo real a sua volta e só pensa em Gin e na chegada das férias de verão.

As cores e a fotografia do filme retratam muito bem esse período. A vastidão em volta dos dois, o vazio, a distância. E as cores, sempre fortes.

O relacionamento entre Hotaru e Gin era como o verão, mas quando separados, era como o inverno.
Nós podemos até ver que Hotaru no colegial tem um admirador, mas que nunca consegue conversar direito com ela porque ela nunca realmente está presente. No colegial, isso atinge seu auge. O coração de Hotaru fica o tempo todo em Gin.

Sei que descrevendo dessa forma, pode parecer um anime extremamente romântico, mas isso não é verdade. Como eu disse no começo do post, Hotarubi no Mori e é feito com vários ingredientes e nenhum dele sopesa o outro.

Aproveite o trailer de Hotarubi no Mori e.

Outros espíritos também são apresentados, e até o próprio Deus da Montanha, mas nenhum deles tem a forma humana como Gin. Ao que parece, Gin não é exatamente um espírito. Ainda recém-nascido fora abandonado na floresta. Estava a beira da morte quando o Deus da Montanha apareceu e se apiedou dele, lançando uma mágica que o permitisse continuar vivo e crescer, embora muito, muito lentamente.

O pessoal que assistiu Natsume Yūjinchō, ao assistir Hotarubi, diziam que eram muito parecidos. Eu ainda não vi Natsume, mas só por estes relatos estou pensando seriamente em assistir.

Quando Hotaru está na mesma idade física de Gin, ele a convida a um festival. Sim, é aquele festival dos espíritos que citei no começo do artigo. A trilha sonora desta parte é sen-sa-ci-o-nal! Combina perfeitamente, é absolutamente incrível! Mas, voltando ao festival, eu achei muito criativa a proposta da autora.

Este festival tem o propósito de que os espíritos se fantasiem de seres humanos, hajam como seres humanos e festejem como seres humanos. Dizem que mais de uma vez humanos se infiltram no meio sem eles saberem, de tão bons que os disfarces são!

Não vou dar spoiler, mas essa informação é essencial. E é pouco depois do festival que o filme acaba.

Mas e a parte técnica? Eu quase nem comentei.

Uma boa animação, uma excelente estória e uma dica do Blog YUME? Assitam, gente!


A animação é boa, não é um Cinco Centímetros Por Segundo, mas também não é ruim. É de mediana para boa. A parte forte, como eu já disse antes, é a fotografia e a trilha sonora. E são muito bons mesmo. Os seyuus são uma graça (mas quando é que eles não são?). A consistência do enredo é ótima. E isso é também algo de melhor em Hotarubi no Mori e: tudo acontece por um motivo, nada que lhes mostram é uma informação inútil.


A verdade é que adaptar mangás bons em animes geralmente é uma boa idéia. Ainda mais com este time. Veja só a tão mencionada trilha sonora por exemplo: é linda. E acreditem, essa ainda não é a faixa mais bonita.



Uma observação que vocês devem ter reparado ao ver o trailer (que está um pouco mais acima), é que o design dos personagens é bem parecido com Durarara. Aliás, ultimamente, muitos animes estão optando por este design (dá até pra fazer uma boa postagem sobre isso).

Mas onde assistir Hotarubi no Mori e? A verdade é que, por enquanto, não vi nenhum fansub brasileiro se interessar. As legendas em inglês só sairam recentemente, também. Mas é possível que no momento em que você está lendo este post já tenha alguma nova informação. Procure. Entretanto, se você é como eu e consegue assistir com legendas em inglês o site em que eu assisti é esse aqui.

Hotarubi no Mori e é surpreendente. Quando você começa a assistir você já sabe o que vai acontecer, mas não dá forma que vai acontecer. E você espera que seus sonhos se tornem realidade (lol) e aí vem o final que ninguém previa... E você pode até ficar zangado(a), mas depois de uma reflexão você percebe que não, o final não foi um lixo, e que não, eles não fizeram isso apenas para trollar...

O final é realmente muito bom.


Preparem os lenços, a Pepsi, e saiam de perto de outras pessoas! Vale muito a pena assistir Hotarubi no Mori e!

5 Comentários:

Emilie S. disse...

Acabei de assistir... e você não faz ideia do quanto eu chorei.

Não li todo o seu texto porque não quero ter influências para o que irei escrever mais tarde :D

Ayumi disse...

Só de me deparar com a primeira imagem lembrei/afinalédamesmaautora de Natsume Yuujinchou, a historia fala de espiritos tambem e etc é bem divertido mas ainda não vi todas as temporadas(a ultima e quarta temp lançou esse ano)
Parece bem fofinho, está na minha lista já o/
Pena que só tem em ingles D:
Bem, gostei bastante o/

Ja ne e até a próxima :D

Doreen disse...

Faz tempo que eu vi seu post e na mesma hora eu fiquei com muita vontade de assistir esse filme, mas eu achei melhor esperar com legendas em português.
E enfim, acabei de ver o filme (juro, terminou agorinha), ainda estou extremamente emocionada, chorei pra caramba e eu só te agradeço B-chan, por fazer o review desse filme tão lindo! (raiva mor daquele muleque desgraçado DX)
Mas anyway, a história foi perfeita do jeito que você falou, obrigada mesmo! *snif* ♥
Agora vou ver se acho o Natsume Yūjinchō, deve ser muito bom também <3

Beijoos ;*
(Nami)

Anônimo disse...

Muito emocionante esse filme.
Chorei muito...

Téh Moura disse...

Eu mal pude acreditar quando vi que um filme tão curto conseguiu ser tão bem feito, lindo e fofinho. Realmente a animação não é a mais excepcional (a tirar pelo character design do Gin, que é lindo), mas a trilha sonora, as cores e a fotografia combinadas com ela quase fazem-na parecer única. Pra mim o único defeito desse filme é o final. Aliás, não exatamente defeito, mas... enfim, você me entendeu. É bonito demais, mas eu não sei se gostei ou não. AAAAAAiiiinnnnnn, eu queria que tivesse sido diferente!

Até antes de ver esse filme eu achava que Titanic tinha uma história linda e maravilhosa. Mas perto da história do Gin e da Hotaru, a história do Jack e da Rose não é nada. Passar meses e meses perto de uma das pessoas mais importantes e amadas da sua vida com certeza é muito mais difícil do que uma "distância" devido a uma posição social.

Enfim, amei demais o filme.

Participo!

Onigiri quase Prédio

Termos legais

O conteúdo desse blog é protegido por: Creative Commons License
Melhor visualizado no Chrome ou Firefox.